mais uma apresentação feita com pandoc

16 Feb 2019 / Leonardo Barichello

Fui convidado a dar uma oficina sobre Scratch na Unesp de Rio Claro e montei uma apresentação bastante simples para usar ao longo da oficina. Como fiz com pandoc e beamer, achei que valia a pena compartilhar. Pra quem não consegue o processo, sugiro uma olhada nesse outro post.

Dessa vez, eu usei o tema focus, que é bem simples e elegante. Ele funcionou diretamente. Só não consegui usar o slide de destaque, mas isso não chegou a fazer falta.

Você pode baixar tanto o pdf final quando o arquivo em markdown que gerou a apresentação.

O único problema que eu enfrentei dessa vez tem a ver com o uso de caracteres especiais em português. O pdf não compilava de jeito nenhum até eu forçar o uso do xelatex como engine. Para poder fazer isso, tive que instalar o pacote texlive-xetex e depois acrescentar um parâmetro na compilação:

pandoc arquivo.md -t beamer --latex-engine=xelatex -o slides.pdf

maionese no mixer

17 Dec 2018 / Leonardo Barichello

Maionese sempre me pareceu uma coisa meio mística pra fazer em casa. Há quem diga que o ponto é difícil de atingir e fácil de perder, que é necessario fazer em ambiente frio ou gelar todos os utensílios que serão usados e por aí vai... Porém, há algumas semanas atrás eu vi esse video e pensei: "se a dela deu certo, eu também consigo!".

Se vocês não conhecem, essa aí de cima é a Hannah e os vídeos dela cozinhando semi-bêbada são ótimos! (talvez não tanto do ponto de vista culinário, mas humorístico!). Vale a pena acompanhar o canal dela.

Mas voltando à maionese, eu usei os ingredientes abaixo.

1 colher de sopa de suco de limão
1 colher de sopa rasa de mostarda (eu uso mostarda americana)
2 gemas
200 ml de óleo de girassol
sal a gosto

Antes de começar, tenho que contar que eu troquei 25 ml do óleo por azeite, simplesmente porque eu gosto mais de azeite! Porém, como no passado eu já tive problemas pra acertar uma maionese só com azeite, vou tentar aumentar essa quantidade progressivamente e vou atualizando aqui.

O procedimento foi inspirado no vídeo abaixo, cujo mixer é idêntico ao meu.

Basicamente, o que eu fiz foi afundar o mixer desligado até o fundo, bem devagar. Depois comecei a bater na velocidade mínima. Em poucos segundos, partes da mistura já foram atingindo a textura de maionese. Fiz movimentos lentos como o do vídeo pra pegar mais mistura e voi-la! No finalzinho, sobrou um pouco de óleo não emulsificado, mas isso não foi problema, pois eu deixei pra acrescentar o sal no final e uma misturada básica com uma colher foi suficiente pra incorporar tudo na textura desejada.

A consistência ficou ótima e, sinceramente, não consigo imaginar o que poderia ter dado errado. Quando fiz essa receita pela primeira vez no Brasil, coloquei os instrumentos na geladeria um pouco antes de começar a preparar (10 minutinhos) e não tive nenhuma dificuldade em pegar o ponto. Vale a pena tentar!

yogurte grego

14 Dec 2018 / Leonardo Barichello

Desde que voltei da Inglaterra estou procurando um bom Yogurte grego.

Agora deixe-me explicar o que eu quero dizer com bom yogurte grego: um yogurte que tenha a consistência do grego, que tenha um sabor parecido (nada de doce e um pouco amargo) e principalmente que tenha essencialmente um único ingrediente, leite! Esse último item é especialmente importante, afinal, os originais são feitos com esse único ingrediente. Nada de leite em pó, espessantes, mel, coisas pra adoçar ou soro de leite. Simplemente leite.

Minha primeira reação quando olhei o setor de yogurtes no supermercado aqui no Brasil foi boa: várias opções de yogurte grego. Duas checagens de rótulo depois, eu já estava desanimando. Algumas depois eu estava totalmente desapontado. TODOS os yogurtes das marcas mais conhecidas possuem uma lista de ingredientes que vai MUITO além de "leite".

Felizmente, essa história tem final feliz: encontrei o yogurte grego da Yorgus.

yorgus

Ele é um tanto mais caro que os mais comuns, mas tem apenas dois ingredientes: leite (infelizmente desnatado, mais fazer o quê) e fermentos lácteos (provavelmente os gregos podem omitir essa ingrediente, já que eu acho que é necessário para transformar leite em yogurte). E pra completar, o sabor dele é super compatível com o original! Eu recomendo.

Atualização: algumas semanas depois deste post eu encontrei a versão integral desse mesmo yogurte (note na imagem que este era o 0% gordura) e pra minha decepção, achei o super do integral muito pesado, se aproximando muito do queijo. Portanto, fico com o 0%.

Uma discussão sobre métodos quantitativos

28 Nov 2018 / Leonardo Barichello

Matthew Inglis, pesquisador em educação matemática pela Universidade de Loughborough, escreveu uma resenha do livro The trials of evidence-based education: the promises, opportunities and problems of trials in education recentemente publicado por Stephen Gorard, um dos pesquisadores em educação mais fartamente financiados no Reino Unido atualmente.

Gorard é um forte crítico das pesquisas em educação em geral e tem uma postura muito pragmática, que resulta em artigos com poucos apronfundamentos teóricos e filosóficos e focados em questões do tipo "what works". Entretanto, a sua atuação também é questionada entre acadêmicos como sendo superficial e suas criticas como sendo vazias, por não oferecerem alternativas convincentes.

Inglis é um pesquisador muito versátil em termos de métodos. Em sua maioria, seus artigos usam métodos quantitativos mas nem sempre seguindo o design experimental. Tive o prazer de conhecê-lo pessoalmente e fiquei surpreso com o seu conhecimento e sua atitude inclusiva frente a diferentes abordagens de pesquisa.

Na revisão, Inglis critica fortemente as posições de Gorard que, neste livro, atacamente com ferocidade um tanto desproporcional as pesquisas em educação que usam métodos quantitativos. A parte que me chamou atenção no texto, na verdade, são as explicações que Inglis oferece ao rebater os argumentos colocados por Gorard em seu livro. Inglis oferece algumas interpretações muito claras e elucidativas para certas práticas experimentais e, aparentemente sem querer, acaba ensinando muito sobre o tópico. Uma leitura muito recomendada!



begin ... prev 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 next ... end
rss

Subscribe to my RSS:
barichello.coffee/rss

Search

Tags

english português música poesia coffee Ireland mathematics education café music movie opinion duas versões two versions research methodology recipe política matemática opinião nottingham visualization linux food educação programação receita viagem arte educação matemática beer libreoffice amsterdam pesquisa free software video vídeo mobile tourism coding restaurant comic software livre art restaurante turismo comida campinas internet