pensamento computacional na Educação Básica

22 Apr 2020 / Leonardo Barichello

Recentemente foi chamado pra integrar a equipe do projeto Livro Aberto. Mais especificamente, fui convidado a escrever um módulo sobre pensamento computacional, essencialmente motivado por essas duas habilidades da BNCC (atual) do Ensino Médio:

  • (EM13MAT315) Reconhecer um problema algorítmico, enunciá-lo, procurar uma solução e expressá-la por meio de um algoritmo, com o respectivo fluxograma.
  • (EM13MAT406) Utilizar os conceitos básicos de uma linguagem de programação na implementação de algoritmos escritos em linguagem corrente e/ou matemática.
  • Com o objetivo de levantar contribuições para esse trabalho, estou mantendo um videolog no qual não apenas reporto as decisões já tomadas como também coloco pontos ainda em aberto para receber sugestões, ideias, críticas e experiências. A playlist com os vídeos segue abaixo:

    Você pode comentar no Youtube ou nas outras redes sociais em que tenho postado os vídeos ou se inscreve no canal para receber alertas sobre novas postagens. Toda contribuição é muito bem-vinda :-)

    focaccia

    06 Apr 2020 / Leonardo Barichello

    Essa receita é o resultado de umas 6 tentativas de fazer uma focaccia genovese. Eu combinei quantidades e procedimentos de vários sites até chegar nessa receita.

    8 gramas de fermento biológico seco
    1 pontinha de colher de chá de açucar
    50 ml de água morna (30 graus)
    350 gramas de farinha de trigo 00
    200 ml de água morna
    2 colheres de sopa de azeite
    50 gramas de farinha de trigo 00
    Sal a gosto

    Dissolva o fermento biológico na água morna com o açucar e deixe descansar em um local morno por uns 10 minutos, até formar uma espuminha no topo.

    Misture o sal nos 350 gramas de farinha e acrescente os 200 ml de água morna e o azeite. Logo em seguida adicione a água com fermento e misture com uma colher até que a massa comece a soltar das laterais do pote.

    Nesse momento, transfira a massa para uma superfície boa para amassar e trabalhe a massa gentialmente por 15 minutos adicionando os 50 gramas de farinha restantes quando ficar muito grudenta. A imagem abaixo é de logo no começo desse processo.

    focaccia 1

    Talvez você precise de um pouco mais de farinha, mas não acrescente muito mais pois isso pode afetar a consistência da massa.

    Ao final dos 15 minutos, transfira a massa para um recipiente que possa ser coberto com um pano levemente úmido sem que ele toque a massa. Coloque em um local morno para descansar por 30 minutos. Uma sugestão é dentro do forno com a luz acesa. A temperatura deve ser em torno de 30 graus.

    Unte a forma na qual a focaccia vai ser assada (eu uso uma de metal com teflon de 34x23 cm²) com uma quntidade generosa de azeite. Transfira a massa pra cá e recubra-a de azeite também. Volte para o local morno e deixe descansar por mais 60 minutos.

    focaccia 2

    Agora, abra a massa com a ponta dos dedos sujos de azeite para que ela cubra toda a área da forma. Deixe descansar no local morno por mais 30 minutos.

    Nesse meio tempo, pre-aqueça o forno a 230 graus (o meu é elétrico) e prepare as coberturas. Minhas sugestões são: cebolas cortadas bem finas temperadas com sal e pimenta do reino, pedacinhos de gorgonzola ou rodelas fininhas de chorizo (tudo frio). A cobertura não deve ter muita fartura.

    Retire a massa, suje os dedos com azeite e use-os para criar vales na massa, de modo que ela fique com mais vales do que na imagem acima. A massa não deve ser furada. Polvilhe salmoura em toda a massa, de modo que se formem poças de salmoura nos vales que você criou com os dedos. Se tiver algum sal mais grosso, pode ser interessante para deixar alguns cristais mais crocantes no final. Coloque o recheio e leve ao forno.

    No meu forno, eu deixo 15 minutos e depois mais 10 com o grill ligado. O resultado costuma ficar com a parte de baixo bem morena e os pontos mais altos quase marrons. Quando tirar fo forno, remova da forma e deixe esfriar um pouco antes de servir. O resultado está aí embaixo e serve umas 3 ou 4 pessoas.

    focaccia 4

    Na hora fica maravilhoso! No café da manhã do dia seguinte ainda tá legal, mas não dura muito mais do que isso. É uma receita pra fazer e comer!

    pensamento computacional na Educação Básica

    19 Feb 2020 / Leonardo Barichello

    Em janeiro de 2020 saiu o livro Pensamento Computacional na Educação Básica foi publicado em janeiro de 2020 pelo grupo a para o qual eu contribui com um capítulo.

    capa do livro

    O livro é dividido em três partes: Fundamentos, Pesquisas e Relatos de Experiência.

    A primeira delas, Fundamentos, é a mais curta mas cumpre muito bem o papel a que se propôs: estabelecer os conceitos fundamentais para todo o livro (capítulos 1 e 2) e discutir o panorama nacional e mundial sobre o tema (capítulos 3 e 4). Os quatros textos são boas referências se o que você busca são definições e caracterizações claras e objetivas.

    A segunda parte, Pesquisas, é a mais fraca, na minha opinião. Traz oito capítulos que, no fringir dos ovos têm mais valor pelo relato das experiências conduzidas do que por aspectos que de fato os aproximariam de pesqusias acadêmicas (aprofundamento teórico, aspectos metodológicas ou resultados que possam ser usados por outros pesquisadores). Isso não é inesperadao, dado que essa área ainda é jovem, mas é inevitável, ao ler esses capítulos, de que se está lendo um relato com pretensões acadêmicas um tanto ingênuas.

    A terceira parte, Relatos de Experiência, é a que ocupa a maior parte do livro. A qualidade, o conteúdo e o formato dos textos dessa parte variam muito, mas isso não compromete a proposta de ser uma coleção de relatos. Na verdade, talvez seja a diversidade que faça dessa parte o ponto alto do livro todo (junto com os dois primeiros capítulos). No final das contas, os relatos acabam oferecendo ao leitor uma variedade grande de possibilidades que acabam por ser inspiradoras, mesmo que o objetivo do leitor seja um pouco diferente do relato em si. Além disso, por serem relatos, os textos são menos pretensiosos do ponto de vista teórico, o que torna a leitura muito mais acessível.

    É nessa terceira parte que está o meu texto, entitulado Programação de computadores em Scratch por meio de jogos. Nele, relato a experiência de uma oficina de programação de computadores que ofereci para estudantes dos últimos anos do Ensino Fundamental em uma escola particular. O mote das aulas era a criação de jogos e a plataforma usada foi o Scratch. Além do texto, todos os projetos estão disponíveis online em scratch.mit.edu/studios/271650.

    Se você é professor, eu recomendo o livro como uma fonte de inspiração, especialmente ao longo da terceira parte.

    Se você é pesquisador, a primeira parte merece atenção por ter sido bem sucedida em estabelecer o significado de algum termos comuns na área, como "pensamento computacional".

    homemade dark chocolate with 3 ingredients

    08 Jan 2020 / Leonardo Barichello

    After a long time being disappointed by unnecessary ingredients in commercial plain dark chocolates, such as soy lecithin, flavoring and things derived from milk, I decided to have a go at cooking my own chocolate. It should be like a plain dark chocolate and has no ingredients beyond fat, cocoa and sugar.

    My starting point was the recipe shown in this video: youtube.com/watch?v=YR5Giafbi1s. However, after a few attempts, I noticed two problems. First, the result of the dark chocolate recipe was too grainy. Second, and as a result of my attempts to solve the first, dilute the sugar and cocoa powder with water or milk led me to difficulties in keeping the mixture homogeneous.

    After some research online, ti seems that this a real problem for homemade chocolate: even the extra fine sugar is grainier than the ideal and the only way to solve this issue is by slowly beating the mixture for long hours. Not satisfied, I decided to play with the quantities and try to use as minimum water as possible to dilute the sugar. After many attempts, it worked! :-)

    The procedure and quantities below are the final recipe I am using (enough for 315 grams of dark chocolate).

    Ingredients

    120 grams of cocoa butter
    90 grams of icing sugar
    30 grams of hot water
    75 grams of cocoa powder

    Procedure

    Melt the cocoa butter over boiling water in a bowl large enough for all the ingredients in the end. Warm the glass that will be used to measure the water. Get 30 grams of boiling water and add to the sugar in a warm bowl, mixing them together to dilute the sugar (this should be done quickly so the water do not cool down). Add this mixture to the melted cocoa butter, keeping them over boiling water. Add the cocoa powder (using a sieve, if available), turn off the heat and mix them to get a very dark and bright mixture.

    This mixture would need about 20 minutes to cool down before going into molds and to the fridge. During this time, the ideal would be to keep mixing them gently and continuously. However, this is quite boring and not totally necessary. What I do is stir them for about 10 seconds several times throughout the 20 minutes. This is important to break the sugar particles, to keep the mixture homogeneous and to air it (professionals say this is important for the taste).

    I would say that 12 hours in the fridge is enough, but I have never taken this step really seriously. After a couple of hours the mixture is solid enough to be removed from the molds, but I think it still needs some hours to get properly set.

    The video below shows how the mixture looks like after about 10 minutes cooling down.

    And here it is me pouring it into molds.

    The final texture is still a little bit grainy, but the flavor is amazing! Also, remember that this has only 3 ingredients (4 if you count water)!

    chocolate

    Flavors

    You can just replace the water with espresso coffee and everything works the same and you will get a bit of a coffee flavor in your chocolate.

    Another option that I have tried is vanilla extract (not flavoring), but the I do not think it is worth the cost: the taste and smell is too discrete for me. Maybe I am not using enough, but I do not htink so.

    Tempering

    According to my readings tempering (melting and cooling the chocolate repeatedly) could improve the smoothness of the chocolate bar and its resistance to melting. I am still testing, but the results so far are not convincing. So, I do not recommend.

    In the section below I give some tips on where to buy the ingredients in Brazil. So, it is written in Portuguese.

    Onde comprar os ingredientes

    O açucar de confeiteiro que eu uso é convencional e o cacau em pó também (note que deve ser 100% cacau e não deve ser o alcalino), porém, a manteiga de cacau não foi fácil de achar. No final das contas, estou comprando de um fornecedor (Gobeche) que vende várias coisas ligadas a chocolate via americanas, e recomendo!



    1 2 3 4 5 6 7 next ... end
    rss

    Subscribe to my RSS:
    barichello.coffee/rss

    Search

    Tags

    english português música poesia coffee Ireland mathematics education café music movie opinion duas versões two versions research recipe política matemática opinião nottingham visualization linux food educação programação receita viagem arte educação matemática beer libreoffice amsterdam pesquisa free software video vídeo mobile tourism coding restaurant comic software livre art restaurante turismo comida campinas internet computação pensamento computacional